Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Séries nos conquistam por motivos dos mais diversos: carisma dos protagonistas, enredo bem amarrado, gênero, trilha sonora, etc. Hoje, quero falar das que me conquistaram por um mix destes motivos, mas principalmente pela abertura. As músicas – que cantarolo até hoje – e o formato utilizados permaneceram na memória, mesmo que as séries tenham saído do ar há décadas ( ou não).

São tantas aberturas de séries interessantes que inicialmente falaria apenas sobre as clássicas, mas lembrei de um número tão grande que tive que rever a idéia inicial e fragmentar a coletânea, selecionando por décadas e iniciando na de 1960. Por estas paragens, séries deste período passaram e repassaram por toda a década de 70 e meados de 80. É bom frisar que não estão listadas por ordem de preferência, pois isto levaria séculos para ser decidido, e mesmo assim não me satisfaria. Então, nada de ordenação, apenas listagem.

Todos são livres para discordar, mas insisto: é a minha preferência e gosto não se discute (pode se lamentar, não discutir). Muito provavelmente quando reler este texto lembrarei de mais algumas que deixei de citar e xingarei. Se quiserem colocar nos comentários as que gostam, posso montar uma postagem depois com elas. Aliás, seria ótimo. Chega de embromação, mas não custa avisar (novamente) que esta seleção baseia-se tão somente nas aberturas, com isto em mente ai vai minha lista:

1.      Perdidos no Espaço (Lost in Space)

Este clássico de ficção cientifica que se passa no “longínquo” ano de 1997, conquistou uma legião de fãs e contava a história de uma família que viajava para estabelecer uma colônia na distante Alpha Centauri, a bordo da nave Júpiter 2 em companhia de um fiel robô (“Perigo! Perigo! Isto não tem registro!”). A nave sai do rumo por obra e graça do Dr. Zachary Smith que sabota o robô e acaba fazendo com que fiquem (…suspense…)  perdidos no espaço. A série teve aberturas diferenciadas no período em que esteve no ar, de 1965 a 1968, mas a que mais gosto é a animação onde eles estão presos por cordas. Só consegui o vídeo (com ajuda) em espanhol, mas a animação é o que importa:

2.      Agente 86 (Get Smart)

Não faz muito tempo, foi feito um filme sobre este personagem, mas nem se compara à série original (pode ser birra, mas acho). Agente 86 foi uma das melhores séries de humor que já tive o prazer de assistir e que ainda consegue me arrancar risadas de um jeito bem fácil. Foram cinco temporadas, de 1965 a 1970, com 135 episódios, contando as aventuras do atrapalhado agente Maxwell “Max” Smart, da organização secreta chamada C.O.N.T.R.O.L.E, que lutava contra a organização criminosa K.A.O.S. A abertura mostrava 86 chegando na sede de sua organização e passando por diversas portas diferentes, já delatando o humor que série nos trazia:

3.     Terra de Gigantes ( Land of the giants)

Outra série de ficção, produzida de 1968 a 1970, onde uma nave orbital que fazia uma viagem rotineira de Los Angeles a Londres, é envolvida por uma estranha névoa e acaba dentro de uma tempestade magnética que a joga numa dobra espacial, lançando a nave num planeta povoado por gigantes (ufa! Simples, né?). Os três tripulantes e os três passageiros se unem para sobreviver e tentar retornar à Terra, passando por diversos sustos. Cheia de “efeitos especiais” a série mostrava o contraste entre os “pequeninos” e os “gigantes”, e a abertura – também no formato animação nas primeiras temporadas – explora este contraste:

*Infelizmente, este foi o único video que achei e não é permitido incorporar, por favor veja no youtube. Obrigada!

4.   A noviça voadora (The Flying Nun)

Contando, com muito bom humor, a história de um grupo de freiras que vive num convento em Porto Rico, que teria tudo para ser tranqüilo e sossegado, mas que com a Irmã Bertrille vivia em confusões. A noviça Bertrille tinha a surpreendente habilidade de voar, o que abalava toda a calma do convento, mas as vezes livrava as freiras de  encrencas. Esteve no ar de 1967 a 1970, com 82 episódios. A abertura era ingênua e divertida, como a série.

5.    Túnel do tempo (The Time Tunnel)

Confesso que apesar da achar a abertura muito boa, nunca gostei muito desta série e nem sei explicar o motivo, apenas não entramos em sintonia. De todas as listadas aqui é a de mais curta duração, apenas uma temporada, começando em setembro de 1966 e encerrando em 1967 (e nunca saberemos se voltaram ou não) com apenas 30 episódios. O engraçado é que a premissa dela era extremamente promissora e seu criador Irwin Allen emplacava sucessos (como Viagem ao Fundo do Mar e a já citada Perdidos no Espaço), mas os roteiros fracos e cheios de contradições levaram ao fim prematuro. Contava a história de dois cientistas que participavam de um projeto secreto, a criação de uma máquina para viagens no tempo, o Túnel, no qual acabam entrando sem que ele tenha sido testado. O resultado é que acabam no passado, pulando de evento para evento, interferindo neles e não conseguem voltar. A abertura utiliza-se de uma animação, que traduz bem a idéia da série.