Tags

, , , ,

Seremos humanos por olhar as estrelas, ou olharemos as estrelas por sermos humanos? Pergunta sem resposta. E as estrelas, olham para nós? Pergunta mais pertinente…

Este livro me foi recomendado por um amigo muito especial, também fã de carteirinha do autor. É provável que já tenham ouvido falar nele (o autor, não meu amigo), um tal de Neil Gaiman.  Se por algum mistério inexplicável você não o conhecer, deixe-me apresentá-lo por meio de sua mais famosa criação: Sandman, que reina no mundo do sonho. Bem, se você não conhece Sandman, o problema é bem mais sério e trataremos disto em outra ocasião.

O importante é que se saiba que Gaiman é um talentoso escritor, que nos brinda com histórias, seja na forma de romance ou quadrinhos, cheias de fantasia e personagens complexos e intrigantes. Stardust é um bom exemplo disto. Bom não, excelente.

“A única coisa que sei sobre o amor é que ele é incondicional. Não pode ser comprado.”

O livro conta a história de Tristran Thorn, um jovem morador do vilarejo chamado Muralha, e cuja origem está ligada ao mundo exterior a vila: o mundo das fadas, região que os habitantes de Muralha evitam a todo e qualquer custo. Para impressionar e conseguir a mão da bela Victoria, o jovem embarca numa aventura além da muralha em busca de uma estrela que caiu do céu. Ele não é o único nesta busca, que acaba se revelando bastante perigosa e cheia de armadilhas. O que Tristan  desconhecia é que a estrela era uma bela garota chamada Yvaine.

Não vou contar mais nada sobre a história, pois o bom é ler o livro para conhecê-la.  Também existem diversos sites na internet falando sobre ela, além de um filme baseado no livro. Ou seja, sobre a história muito já foi dito, é só procurar. Quero falar, isto sim, de porque gostei tanto desta leitura. Apesar de ser redundante comentar sobre o quão excelentes são as obras de Neil Gaiman, isto tem que ser dito em relação a Stardust.

É um conto de fada para adultos. A junção perfeita de personagens fantásticos, lugares míticos e criaturas mágicas, envolvidos em situações de intriga, amor e mistérios. Conto de fada para adultos, de forma indiscutível.

O meu coração… sinto que o meu peito mal pode contê-lo. Como se estivesse a tentar escapar, por já não me pertencer. Pertence a ti. Se o quiseres, não desejarei nada em troca, não desejarei presentes, nem demonstrações de devoção. Nada a não ser saber que também me amas. Só o teu coração em troca do meu.”

Enfim, é um conto de fadas para adultos, que mistura unicórnios fofinhos e cenas de sexo detalhadas (não com o unicórnio, é bom deixar claro). Há bastante sangue e assassinatos violentos. Há muita mágica e fantasia. E há o amor verdadeiro. Tudo isto escrito de maneira a prender e encantar até o adulto mais empertigado.

 Agora só me restar torcer para que Neil Gaiman escreva Muralha, do qual escreveu um prólogo e nunca terminou. Foi este texto que deu inicio a Stardust e tenho certeza de que merece ser escrito por ele e lido por nós.

“A vida eterna? Deve ser bem solitária. Só talvez tendo-se a companhia de alguém que se ame…”