Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Sou uma pessoa de muitos bons hábitos: bordar, costurar, ler, experimentar, jogar, escrever, assistir séries, etc. Os maus vou omitir, se não se importam. Procuro compartimentar meus dias de modo a poder fazer um pouco de cada coisa, mas às vezes faço três coisas ao mesmo tempo, fato.

Dentre todas estas atividades, algumas delas se desdobram, como as séries. Assisto a um número escandaloso delas, o que torna difícil fazer reviews de cada episódio assistido. Vocês já devem ter percebido que não sou adepta a textos curtinhos e concisos, não é? Comecei a buscar uma saída para o impasse, pois quero falar delas, “preciso” talvez seja um verbo mais de acordo. Coloquei meus poucos e esparsos neurônios para funcionar e achei a solução: mexidão de séries. Ao invés de fazer um texto para cada uma, resolvi dar meu pitaco sobre várias num único texto. Vamos ver se dá certo, mas aviso que há spoliers.

Criminal Minds – 7×01

Pela primeira vez na série, não terminei uma temporada com o coração na mão e aflita pelo reinício. Achei a season finale muito fraca, uma das menos empolgantes de todas as séries que assisto. Faltou um gancho realmente bom (ou alguém acha que J.J voltar para a equipe era realmente um gancho dramático?) que nos deixasse tensos durante quatro meses. Na minha opinião, não houve. Havia boatos do retorno de Prentiss, mas em nenhum momento isto apareceu naquele episódio. Isto posto, não é de admirar que eu não estivesse exatamente empolgada mesmo ela sendo um das minhas séries favoritas.

Paguei pela língua. Foi uma excelente estréia. O que faltou de tensão no final da temporada passada sobrou no inicio desta. Foi interessante ver a equipe sendo “julgada” pelo senado por suas ações nos seis meses seguintes aos eventos da morte de Prentiss, já que não sabíamos que eles estavam agindo. Até tive a impressão que a morte dela foi facilmente esquecida, mas esqueci o quanto Derek é tinhoso. Todos sabíamos que Prentiss estava viva, isto foi deixado muito claro, entretanto eu não esperava que ela retornasse tendo em vista que os produtores haviam afirmado que tanto ela quanto J.J. estavam fora da série. Sempre considerei isto uma burrada incomensurável; felizmente perceberam isto e voltaram atrás. A reação da equipe ao retorno de J.J. não nos foi mostrado, achei isto falho. Queria muito ver este reencontro, até porque foi o único gancho nos concedido no episódio final. E o retorno de Prentiss não foi tão dramático quanto poderia ter sido, além de ter tido uma recepção um tanto apática. O ressentimento era esperado, claro! Reid e Morgan foram os que mais mostraram terem ficado magoados com o estratagema utilizado, mas aparentemente superaram isto. Espero que este ressentimento apareça em mais alguns episódios, porque senão vai ficar simplista demais. A série merece mais.

Estou ansiosa para ver como se desdobrará esta temporada, até porque é muito bom ver o time reunido novamente. Gosto demais da dinâmica que o grupo tem. Episódio de estréia aprovado com louvor!

Supernatural – 7×01

Depois de uma sexta temporada um tanto truncada e pouco empolgante (e realmente me sinto mal em dizer isto sobre esta série, mas…), com um episódio final previsível  mas que deixou um gancho interessante: Castiel virando Deus. A traição cometida pelo anjo mais chegado aos irmãos foi dolorosa, principalmente para Dean, e seu lado dark minou qualquer esperança que acalentassem. O pior foi derrubar o muro que continha as lembranças de Sam sobre sua temporada o inferno. Estes dois fatos, Castiel Deus e Sam lidando com as lembranças, me mantiveram em suspense aguardando a nova temporada. Supernatural é uma série que acompanho desde sempre e gosto demais dos personagens e sua interação, sempre dou um voto de confiança para ela, então acredito que voltará ao eixo nesta temporada. Com o Impala devidamente reformado, porque o que fizeram com ele foi covardia!

Esta minha crença foi fortalecida com o primeiro episódio da sétima temporada. Tivemos um Castiel embriagado pelo poder, dando uma de justiceiro pelo mundo. A quantidade de pessoas que ele mandou para o beleléu foi inacreditável. De onde se conclui que o poder realmente corrompe, porque o Cas que amamos seria incapaz de tanta carnificina. Ou ele não está completamente no comando…

Sam, sem a proteção do muro, tem alucinações com suas “férias” no inferno, perdendo-se entre o que é real e imaginário. Acho que isto estará presente em boa parte desta temporada. Está confuso e inseguro. Uma pena que ator seja muito mais bonito que talentoso, porque esta dubiedade do personagem exige mais do interprete do que ele pode oferecer. Dean concentra suas energias em recuperar seu filhote: nosso Impala favorito (eba!). Estranhamente ele não se coloca na cola de Cas e concentra todas suas energias em consertar o carro – não que eu esteja reclamando já que o Impala é um dos protagonistas da série, mas este não é o Dean que conhecemos. Bobby está entre os dois, como fiel da balança, tentando manter o equilíbrio entre todos e entender o que está acontecendo.

Finalmente, chegam num ponto que não há como disfarçar que tudo está muito errado. Castiel precisa ser detido. E por quem? Quem poderia ter o poder necessário para matar Deus? A Morte. Vamos combinar, Cas está muito poderoso!

No fim, a Morte dá a dica de que novos inimigos estão no páreo: Leviatãs, engolidos junto com as almas do purgatório. E no fim, é o próprio Cas que percebe que precisa de ajuda e tem que ser detido. Quase dá certo… Quase. Os leviatãs tomam o controle e temos um novo inimigo a ser vencido.

E um novo problema: Sam sumiu. A aparição de Lúcifer lhe dizendo que ele ainda está na jaula e a sua liberdade é que foi alucinação, foi uma excelente sacada! Qualquer aparição de Mark Pellegrino é uma grande sacada, aliás. Para onde Sam foi? Vamos descobrir logo, espero. Acho interessante este conflito no personagem, sem saber o que é real ou não, mas alguém precisar consertar o menino.

Gostei bastante deste episódio que trouxe poucas respostas, mas mostrou que podemos ter uma sétima temporada redentora para a série. Com o conserto do Impala terminado, já que ainda falta a pintura, espero.

Que venham os próximos!